IRepórter

Atleta de jiu-jitsu é baleado por suposto indígena em Ribeirão do Largo

Um atleta de jiu-jitsu, 38 anos, que não será identificado pela reportagem,  procurou o Complexo Policial de Itapetinga, no interior da Bahia, nessa quinta-feira (17), para informar que foi vítima de tentativa de homicídio. O crime, segundo ele, aconteceu na última segunda-feira (14), na fazenda Guarani,  no município de Ribeirão do Largo. 

A vítima conta que estava retornando de Itambé para Itapetinga, momento que visualizou uma aglomeração de pessoas, por causa de um confronto entre fazendeiros e supostos índios,  na propriedade do ex-prefeito de Itambé, Ivan Fernandes. Imediatamente, deslocou-se até a fazenda juntamente com outras pessoas. Ao chegar na propriedade rural, viu uma pessoa sendo agredida fisicamente, porém, ao tentar ajudá-la, acabou baleado três vezes. 

O homem disse ainda que perdeu muito sangue e acabou desmaiando, mas,  conseguiu visualizar a pessoa que fez os disparos. Trata-se um homem que estava escondido atrás de uma árvore, usando trajes indígena e portando  uma espingarda. 

 A vítima acordou minutos depois, no hospital São Sebastião, em Itambé,  mas teve que deixar o local pela porta dos fundos, porque sua integridade física estava sendo ameaçada pelos invasores. 

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.  

O confronto entre fazendeiros, índios e não índios foi divulgado, com exclusividade, pelo  Blog iReporter (veja aqui).

Ribeirão do Largo: Confronto entre supostos índios e fazendeiros deixa 4 feridos na fazenda Guarani

Um confronto entre fazendeiros e supostos índios na fazenda Guarani, no município de Ribeirão do Largo, no Sudoeste da Bahia,  deixou pelo menos 4 pessoas feridas. O ataque aconteceu na tarde desta segunda-feira (14), por volta das 17 horas, e os feridos foram levados ao hospital de Itambé. Um deles, suposto índio,  foi transferido para Vitória da Conquista para melhor avaliação médica. 

A briga entre o grupo de  invasores (formado por índios e não índios)  começou na noite de domingo (13), por volta das 19 horas, quando cerca de 50 pessoas invadiram a fazenda Guarani, pertencente ao ex-prefeito de Itambé, Ivan Fernandes Couto Moreira. 

As informações apuradas pelo site IReporter dão conta que no momento da invasão estavam no local o ex-prefeito, a esposa dele e vereadora Maria José, uma neta de 15 anos e uma criança de 3 anos. 

Os indivíduos agiram com extrema violência, inclusive, chegaram ao local atirando, arrombaram portas e quebraram as vidraças da sede da fazenda, mas não conseguiram entrar no imóvel. Em seguida,  eles arrombaram uma residência e agrediram uma mulher com pauladas. O neto dela (de 15 anos) também foi agredido fisicamente. Estas informações são do próprio ex-prefeito, que na noite do mesmo dia registrou Boletim de Ocorrência (B.O), pedindo providências cabíveis a polícia.  

O confronto ocorrido na tarde desta segunda-feira aconteceu quando, o ex-prefeito reuniu um grupo de amigos e colegas fazendeiros e pediu para que os invasores deixassem a fazenda.  Não houve diálogo e o problema foi resolvido na base da violência. Uma das pessoas feridas é funcionário da fazenda Guarani. 

Os feridos apresentavam marcas de pauladas e tiros, mas, aparentemente, ninguém corre risco de morte. 

Depois do confronto, o grupo acabou deixando a fazenda do ex-prefeito, passando a ocupar uma fazenda vizinha, conhecida como “Fazenda do Deputado”. Esta propriedade, conforme informações não oficiais, trata-se de terra indígena. 

Moradores da região ouvidos pelo IReporter disseram que o clima ainda é tenso na localidade, porque os índios e não índios estão ameaçando ocupar novas propriedades rurais e promover manifestações na rodovia que corta o município.

Vídeo enviado por leitor do site via Whatsapp 77 98822-7743

Potiraguá, Ribeirão do Largo tem mais eleitores do que habitantes, aponta levantamento

Um levantamento divulgado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) aponta que cinco cidades da Bahia possuem mais eleitores do que habitantes. Maetinga, na região sudoeste do estado, é o município baiano com a maior discrepância entre eleitorado e população. A cidade possui 6.736 pessoas aptas a votar, enquanto a população não passa de 4.456 –diferença de 2.280 pessoas. O município aparece na quarta posição nacional e na terceira do Nordeste entre as cidades com maior diferença entre o número de eleitores e o de habitantes. Serra Preta, a cerca de 150 quilômetros de Salvador, aparece em segundo lugar na Bahia. Possui eleitorado formado por 16.941 pessoas, enquanto a população é de 16.036. A cidade ocupa a 14ª posição nacional e na 7ª posição no nordeste. Outra cidade com mais eleitores do que moradoresé Lajedão, no sul da Bahia, que tem eleitorado de 4.805 pessoas, enquanto a população não passa de 4.068.Completam a lista Potiraguá (com 8.747 eleitores e 8.438 habitantes) e Ribeirão do Largo (7.502 eleitores e 7.437 habitantes). Em todo o Brasil, segundo o levantamento, há 231 municípios com mais eleitores do que habitantes. A Bahia fica em 9º lugar no ranking dos estados com mais cidades que possuem mais eleitores que habitantes. O estado possui o quarto maior eleitorado do país, com 10,2 milhões eleitores. A cidade com mais eleitores no estado é Salvador (1,7 milhão de pessoas), que ocupa a 5ª posição entre as capitais em número de votantes.

A pesquisa

Para a pesquisa , foram utilizados dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), divulgadas em 31 de maio, comparados com a estimativa populacional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para 2017. O levantamneot analisou o número de eleitores de 2018, os municípios com o maior eleitorado e o número de cidades que possuem mais eleitores do que habitantes. A explicação do TSE para as discrepâncias consiste na distinção entre domicílio eleitoral e domicílio civil. Enquanto o chamado domicílio civil é mais restrito por limitar-se à residência na qual se anseia permanência definitiva, o domicílio eleitoral é aplicado de forma mais flexível, abarcando a localidade na qual o eleitor comprova residência acrescida de envolvimentos afetivos, familiares e sociais. Dessa forma, é possível o cidadão morar em uma cidade e votar em outra. (G1/Ba)

Open chat