Porque um vendedor ambulante deficiente físico foi detido no Centro de Itapetinga

3

Por IRepórter/Eudo Mendes

Um vendedor ambulante de 32 anos de idade, que possui deficiência na perna esquerda por conta de um atropelamento, foi conduzido e apresentado no Complexo Policial de Itapetinga, juntamente com o seu carinho de lanches. 

A ocorrência aconteceu no fim da manhã desta sexta-feira (29), na Alameda Rui Barbosa, no Centro da cidade, quando agentes da Guarda Civil Municipal (GCM) visualizaram o homem atendendo um cliente no local. 

Na delegacia, os agentes disseram que na primeira abordagem (por volta das 10h10), o vendedor foi informado que não podia ficar no local por causa da Lei Municipal, que proíbe o comércio informal em alguns pontos do Centro de Itapetinga. A lei em questão foi votada e aprovada em 19 de outubro de 1987 pelos vereadores da época. 

20 minutos depois da advertência, a Guarda Civil Municipal retornou Alameda Rui Barbosa, e encontrou o vendedor ambulante trabalhando, normalmente. O homem, segundo a GCM, disse que não ia deixar o local. Diante da resistência, eles usaram a força para deter o homem e levá-lo até a viatura. 

Populares fizeram filmagens do momento exato que o trabalhador é conduzido até a viatura. Nas gravações, amplamente compartilhadas nas redes sociais, é possível ouvir populares xingando e criticando o trabalho dos guardas municipais. 

O vendedor ambulante Ivan, detido por desobedecer a Lei Municipal, disse que realmente parou na Alameda Rui Barbosa para atender uma cliente, mas, que a Guarda Civil Municipal lhe abordou com truculência e falta de respeito. “Me chamaram de aleijado folgado”, disse o homem. 

“Eu sou uma pessoa de bem, nunca fiz coisas erradas”, completou o acusado. Ele apresentou um ferimento superficial no antebraço esquerdo e reclamava de dores nos punhos por causa do uso das algemas. Esta é a segunda vez que Ivan é detido em virtude do mesmo problema. 

O trabalhador ainda lamentou o fato de uma outra pessoa, também vendedora de salgados, comercializar na Alameda Rui Barbosa, sem ser incomodada pela prefeitura. 

O vendedor de salgado foi liberado da delegacia após prestar depoimento. 

A equipe da GCM que atendeu a ocorrência disse que realmente fez uso da força porque houve resistência à prisão, conforme o artigo 284 do Código Penal. Informou ainda que o conduzido em momento algum foi agredido e que toda ação foi dentro da legalidade. 

Na noite desta sexta-feira, durante uma live em suas redes sociais, o atual prefeito do município, Rodrigo Hagge, comentou o caso. 

“Quem me conhece sabe o carinho que eu trato as pessoas. Eu exijo que os munícipes e que os funcionários da prefeitura de Itapetinga também tratem dessa mesma forma os nossos cidadãos. Iremos apurar rigorosamente se houve excessos por parte da Guarda Municipal”, prometeu o prefeito.  

O prefeito não comentou ou não tinha conhecimento da denúncia que alguns vendedores ambulantes estão sendo tratados de forma diferente durante a fiscalização. 

A ‘novela’ dos vendedores ambulantes e prefeitura é antiga e, provavelmente, ainda terá muitos capítulos. O assunto rendeu uma reportagem especial publicada em dezembro de 2018 pelo site IRepórter (Itapetinga Repórter).

Clique AQUI e confira nosso canal no YouTube

3 COMENTÁRIOS

  1. Na minha opinião eu acho que esse negócio de proibir o cidadão ambulante trabalhar em qualquer parte ou lugar da cidade é besteira porque a pessoa tá procurando um meio de sobrevivência quem é paí de família tem que pôr o pão na mesa esse povo só que ver cidade bonita e o povo tem que passar fome o prefeito tem que abraçar esse povo né fica procurando cidade bonita não i o povo meu prefeito meu voto foi seu faz a diferença até agora não vi nada espero ter resposta sua .

  2. Quem tem o poder de mudar essa lei de 1987 é a câmara legislativa, cadê os vereadores de oposição a atual administração que não põem para mudar na câmara essa lei?! Sabe porque não tem interesse?Porque esses que estão sendo oposição hoje amanhã não serão, vão está s favor do prefeito que eles apoiam, e também não vão querer brigar com a CDL, que tanto reclama e exige que seja comprido essa lei de 1987.Agora é claro que ninguém gostava de ver o centro sendo uma feira como um puxadinho da central de abastecimento, feira livre, pois recordo que quando estava lotado de vendedores comercializando tudo que é tipo de coisa a população reclamava e exigia dos órgãos competentes providências
    Agora também acho que a guarda municipal faz vista graças para alguns vendedores e está de marcação com outros, porque segundo a guarda tem alguns desses ambulantes que estão a mando de pessoas que faz oposição a atual administração municipal, mesmo se for acho que o pessoal da guarda deveria ter mais sabedoria em lidar com essa situação.A guarda aje com truculência faz é anos independente quem esteja administrando o município, na gestão de JCM teve também ações da guarda com violência com o munícipe, acho que isso é todas as guardas do Brasil, a de Itapetinga não é diferente, só porque estão de farda acha que deve agir com superioridade, principalmente com os mais humildes, claro que a guarda é importante é fundamental para a cidade e para os munícipes, a guarda municipal agora mesmo está na linha de frente no combate à covid 19,estão fiscalizando isso é de parabenizar, entre outras ações, porém em tudo no Brasil não é 100%,infelizmente, não seria a guarda que iria fazer o trabalho perfeito, principalmente em cidades pequenas como a nossa Itapetinga, onde vai ter certos tipos de ações como por exemplo vistas graças para determinado conhecido, não vai com a cara de uma determinada pessoa começa a perseguir, e por aí vai, é Brasil. Agora que precisa rever essa lei, a isso precisa, acho que não precisaria levar o vendedor, somente a mercadoria, o local também não deveria ser no complexo, e sim na própria guarda, o vendedor ambulante para conseguir de volta sua mercadoria tinha que comparecer à guarda para assinar algum termo, ou algo parecido.Agir com força,violência é que não dar, só pode usar a força e treinada com técnica apropriado, caso algum guarda seja agredido fisicamente,acho que nesse caso tem que ter até mesmo boletim de ocorrência.Também acho que o comandante da guarda muito despreparodo, todas as vezes que ocorre isso com filmagem,fotos o comando da guarda diz que a guarda que foi agredida por isso usou a força. Creio que fazem isso porque além de ter o peso da farda também porque tem a certeza que nada vai acontecer com nenhum deles,porque são todos efetivos da prefeitura, e só sai quando aposentar,ninguém é mandado embora.Porem tem O SER PODEROSO CHAMADO JESUS que está vendo tudo, sabe de tudo.

  3. Fácil falar, mas nós, querendo ou não temos regras a cumprir, no caso do vendedor foi alertado que, de acordo com o código de posturas do município, não é permitido o comércio ambulante naquele local, mas ele continuou, a população tem que saber o que quer, não pode xingar os guardas, estão cumprindo ordens, se o povo está descontente que pressione a Câmara dos vereadores para mudar a lei, esse é o caminho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui